26/09/07

Literatura de viagem

Embora considerado como um dos nossos melhores livros de viagem, um volume impresso em 1883 por um alto servidor do Império teve o mesmo destino de centenas de livros que caíram no esquecimento. (1) Não fosse o autor avô do escritor Mário de Andrade, talvez a obra ainda estivesse perdida entre milhares de livros de interesse circunstancial.
O pesquisador de relatos de viagem Rubens Borba de Moraes publicou, em 1979, Lembranças de Mário de Andrade, contendo sete cartas, e, na introdução, dedicou algumas considerações ao autor do pouco conhecido volume Apontamentos de viagem (de São Paulo à Capital de Goiás, desta à do Pará, pelos rios Araguaia e Tocantins, e do Pará à Corte. Considerações administrativas e políticas, pelo dr. J. A. Leite Morais, ex-presidente de Goiás). As referências elogiosas despertaram a atenção de Antonio Candido, que considera Rubens Borba como a maior autoridade em literatura de viagens no Brasil. Foram estas circunstâncias que permitiram aos estudiosos da literatura brasileira o acesso fácil ao livro de J. A. Leite Morais, agora editado pela Companhia das Letras, com estudo introdutório, cronologia e notas de Candido.
Mas não se trata de leitura destinada apenas aos especialistas. O livro constitui fonte de informação e, sobretudo, de prazer, pela narrativa ágil e viva do autor, pelo domínio da escrita, exercitada sem os arroubos emocionais dos retardatários românticos. Diria mesmo que o texto ultrapassa as marcas que se tornaram índices caricaturais do Século XIX e se inscreve com notável atualidade entre a nossa melhor prosa. Não esqueçamos que os bacharéis do século passado se compraziam com os arroubos de uma sintaxe alambicada, onde o tonitruar da retórica florida ou os ingênuos queixumes substituíam o encanto da sugestão e do bem dizer.
Leite Morais era um homem do século XIX, bacharel pela Faculdade de Direito de São Paulo. Viveu o momento em que o epicentro dos acontecimentos culturais do país se deslocava para a florescente província do café. A Faculdade de Direito do Largo de São Francisco dividia com a do Recife a condição de eixo agregador das mais destacadas expressões do romantismo brasileiro e dos momentos subseqüentes. Entre estes bacharéis surgiram tanto os nossos melhores escritores quanto os nossos mais insossos beletristas. Seu livro tinha tudo para não passar de um pedante relato de bacharel: nomeado presidente da província de Goiás, começou suas anotações quando partiu de Araraquara, a cavalo, atravessando cerrados, rios e pântanos. Ocupou o governo goiano de fevereiro a dezembro de 1881, quando resolveu retornar para apresentar sua demissão aos conselheiros do Império. Sentindo-se sem condições de empreender a longa viagem à cavalo de Goiás até São Paulo, arriscou-se numa desconhecida aventura: seguir pelo rio Araguaia e descer o Tocantins até alcançar o Pará. Em Belém, tomaria um confortável navio que, em pouco tempo, o conduziria à Corte, no Rio de Janeiro.
Mas a viagem até Belém seria um desafio ao desconhecido. Mal sabia das aventuras e perigos pelos intermináveis rios, onde as corredeiras e redemoinhos representavam um perigo ainda maior que os animais selvagens e as tribos hostis. A bordo de um bote movido por alguns remeiros conheceu um outro Brasil, onde a natureza e suas criaturas, em estado surpreendentemente selvagem, se opunham aos confortos e exigências da decantada civilização. Na viagem o autor apreende outras e desconhecidas configurações do nacional, conflitantes com a imagem oficial construída.
O livro de Leite Morais insere-se com interesse e destacada qualidade na tradição da chamada literatura de viagem de Língua Portuguesa, que a partir do século XVI passa a representar um filão simultaneamente popular e enriquecedor. Com as descobertas marítimas, os relatos de viagem passaram a representar não apenas um vigoroso antepassado do moderno jornalismo, reportando-se a povos e costumes desconhecidos, mas um elo com a velha tradição literária que remonta à odisséia dos navegantes imortalizados por Homero. A narrativa de viagem não apenas se situa nos primórdios da literatura ocidental, como inaugura a ponte que vai da criação escrita à prática jornalística dos correspondentes contemporâneos. Estranhamento e identidade se entrecruzam neste espaço de interseção entre o visto e o que se quer ver.
Se foi um gênero importante no Renascimento, no Romantismo ele se tornou igualmente notável. As narrativas de viagem do século XIX foram atreladas ao espírito nacionalista e destinadas ao conhecimento ou à exaltação dos valores nacionais. As Viagens na minha terra, de Garret, por exemplo, trazem no título o espírito que norteava a reinvenção de um gênero da renascença, valorizado de novo pelo ufanismo nativista. Numa outra vertente, a necessidade de escapismo e de fuga do homem romântico conduziu a caminhos que ultrapassam as fronteiras do seu povo, abandonando a nova modalidade de viagem pelo nacional e empreendendo a viagem virtual pelas veredas imaginação. Não teria sido por aí o caminho de Xavier de Maistre, no inovador Viagem ao redor do meu quarto, ou de Jonathan Swift nas fabulosas Viagens de Gulliver?
Apontamentos de viagem (de São Paulo à Capital de Goiás, desta à do Pará, pelos rios Araguaia e Tocantins, e do Pará à Corte. Considerações administrativas e políticas, pelo dr. J. A. Leite Morais, ex-presidente de Goiás) é um livro que, felizmente, traz poucas considerações administrativas e muito de encanto e prazer. Não que o subtítulo seja enganoso. Leite Morais, de fato, se desincumbe das suas considerações políticas e administrativas, mas o estilo da sua escrita é tão leve, tão preciso e, ao mesmo tempo, com tal poder de sugestão que afasta de nós a impressão de um texto sentencioso ou de um mero relatório pragmático.
Com o mesmo encanto da fantasia e da ficção, o autor nos põe diante da realidade do Brasil no século XIX. Realidade múltipla e polar; de um lado a vida urbana, do outro, o desconhecido mundo selvagem. Um Brasil ignorado pelos moradores das grandes cidades, pleno de aventuras, paisagens exuberantes e desafios ao corpo e ao espírito. Um país inexplorado e cheio de prodígios.
Literatura de viagem da melhor qualidade. É o mínimo que se pode dizer destes brasileiríssimos Apontamentos de Leite Morais.


1. Moraes, J. A. Leite: Apontamentos de viagem; org. Antonio Candido. São Paulo, Companhia das Letras, 1995, 340 p.